27 julho 2017

Um vídeo para discutir a história da Odontologia e outras histórias também

Acho que foi ouvindo o episódio Bruxaria e Feitiçaria , do podcast Salvo Melhor Juízo, que fiquei sabendo desse vídeo. Mas posso ter me confundido, porque ouvi vários podcasts e é possível que eu tenha trocado. O fato é que, de alguma forma, recebi a sugestão de assistir ao capítulo "O sangrador e o Doutor" da série "Histórias do Brasil", uma série em formato de documentário da TV Brasil muito boa pra usar em sala de aula.

Usei algumas cenas desse episódio na aula de hoje para discutir o surgimento da Odontologia como profissão. A íntegra, de trinta minutos, pode ser assistida aqui:






É muito comum ouvir que "os dentistas vêm dos barbeiros". Dito assim, fica um pouco simplificado demais. Martino, Botazzo e Zilbovicius (2005) enfatizam, por exemplo, a diversidade de grupos praticantes da arte dental no século XIX. Pimenta (2004) chama atenção para a hierarquia existente entre os ofícios de cura. Vale muito a pena conhecer o que se tem publicado sobre o tema. Deixo abaixo uma lista inicial de leituras.


Leia também:

CARVALHO, C. L. A transformação no mercado de serviços odontológicos e as disputas pelo monopólio da prática odontológica no século XIXHistória, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 13, n. 1, p. 55-76,  Mar.  2006 .

FIGUEIREDO, B. G. Barbeiros e cirurgiões: atuação dos práticos ao longo do século XIX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 6, n. 2, p. 277–291, out. 1999.

MARTINO, L. V. S.; BOTAZZO, C.; ZILBOVICIUS, C. Os caminhos públicos da odontologia paulista no início do século XX. Cadernos de História da Ciência, v. 6, n. 1, p. 141–156, 2005.

PIMENTA, T. S. Transformações no exercício das artes de curar no Rio de Janeiro durante a primeira metade do Oitocentos. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 11, n. suppl 1, p. 67–92, 2004.

26 julho 2017

Dica para organizar as referências bibliográficas

Dica muito importante!!!

Os 30 minutos mais bem investidos que você poderá ter esse ano é assistir à vídeo aula de Mendeley elaborada pela Biblioteca da Unesp de Rio Claro.

Vou mostrar alguns prints de tela apenas para convencer você a usar esse maravilhoso gerenciador de referências bibliográficas (baixe aqui).


Primeiro: navegando pelo Scielo, basta apertar o botão da extensão do Mendeley previamente instalada.



Esta ação permite importar todos os elementos necessários para que o programa construa a referência.




Depois, no programa do Mendeley, já vinculado à minha conta na plataforma, o artigo aparece e corrijo eventuais imprecisões.




No LibreOffice (mas poderia ser também no Word) insiro a citação.




Em seguida, com um toque de botão, o programa constrói a referência a partir da norma previamente configurada:






Para saber como fazer tudo isso e muito mais, assista ao vídeo:


.

03 maio 2017

Vínculos de trabalho dentistas que trabalham no SUS da Bahia

Trabalho apresentado no III Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde da ABRASCO

Introdução
A Constituição Federal estabeleceu o concurso público como forma de ingresso para servidores, mas resta uma grande proporção de vínculos precários de trabalho no SUS. Os vínculos protegidos (regime estatutário e CLT) garantem acesso a direitos trabalhistas e têm amparo legal. Os vínculos desprotegidos incluem contratos temporários, contratação de profissionais autônomos e diferentes tipos de vínculos informais.


Objetivos
Este trabalho tem por objetivo caracterizar os tipos de vínculos de trabalho dos dentistas inseridos no SUS na Bahia no período de 2007 a 2015.


Metodologia
Trata-se de um estudo quantitativo, com análise estatística descritiva simples, utilizando dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), coletados em 2016.


Resultados e Discussão
Tomando-se somente a quantidade de vínculos sobre os quais há informação sobre o tipo, constata-se que a contratação de dentistas para o SUS na condição de “autônomo” continua sendo a mais comum, embora tenha sofrido redução: de 45,1% dos vínculos cujo tipo é informado em 2007 para 38,3% em 2015. A contratação por tempo determinado segue sendo muito significativa, variando de 29,9% (2007) para 24,6% (2015). Houve um considerável aumento da condição de estatutário, de 2,6% para 24% e diminuição do emprego público de 26,1% para 7,5%. Outras modalidades foram francamente minoritárias ao longo do período.


Conclusões/Considerações Finais
Na Bahia é minoritária a proporção de dentistas com vínculo protegido de trabalho no SUS. O aumento de vínculos sob o regime estatutário não reverteu a situação em que dois terços destes profissionais estão abrigados sob vínculos precários. O sistema de informação ainda precisa ser aprimorado para superar o grande número de omissão de registros.




14 fevereiro 2017

Por que tão poucas publicações sobre Fundações Estatais de Direito Privado?

Um tema que até agora tem sido pouco estudado são as Fundações Estatais de Direito Privado. Há ainda poucas publicações sobre o tema, algumas delas foram listadas abaixo. Não seria a hora de dedicarmos mais atenção sobre o assunto?



PAIM, Jairnilson Silva; TEIXEIRA, Carmen Fontes. Configuração institucional e gestão do Sistema Único de Saúde: problemas e desafios. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro ,  v. 12, supl. p. 1819-1829,  Nov.  2007 .

ANDRADE, Laíse Rezende; TEIXEIRA, Márcia; MACHADO, Cristiani Vieira. Gestão do trabalho na atenção básica: a proposta da fundação estatal saúde da família da Bahia. Divulg. saúde debate; v. 47, p. 65-76, maio 2012.

CARDOSO, Felipe Monte; CAMPOS, Gastão Wagner de Souza. Reformas Neoliberais, Reforma Sanitária Brasileira e Fundações Estatais de Direito Privado: análise de documento da Fundação Estatal de Saúde da Família (FESF) - Bahia. Saúde debate,  Rio de Janeiro ,  v. 37, n. 97, p. 219-232,  June  2013 .

SILVA, Vanice Maria da; LIMA, Sheyla Maria Lemos; TEIXEIRA, Marcia. Organizações Sociais e Fundações Estatais de Direito Privado no Sistema Único de Saúde: relação entre o público e o privado e mecanismos de controle social. Saúde debate,  Rio de Janeiro ,  v. 39, n. spe, p. 145-159,  Dec.  2015 .

CAVALCANTE FILHO, João Batista; FRANCO, Túlio Batista. O processo de construção da Fundação Estatal Saúde da Família da Bahia. Physis,  Rio de Janeiro ,  v. 26, n. 1, p. 63-86,  Mar.  2016

MORETTI, Patrícia Garmus de Souza; FEDOSSE, Elenir. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: impactos nas internações por causas sensíveis à atenção básica. Fisioter. Pesqui.,  São Paulo ,  v. 23, n. 3, p. 241-247,  set.  2016 .

07 fevereiro 2017

Eventos importantes em 2017


1 a 4 de maio - III Congresso Brasileiro dePolítica, Planejamento e Gestão em Saúde - http://abrasconatal17.ufrn.br/
26 a 29 de julho - 18o Congresso Brasileiro de Sociologia - http://sbs2017.com.br/
23 a 25 de agosto - 23o ENATESPO - https://www.facebook.com/enatespo2015/?fref=ts
5 a 9 de setembro - XV Encontro Nacional da ABET - http://abet2017.com.br/abet-2017-grupos-tematicos/abet-evento/
23 a 27 de outubro de 2017 - 41o Encontro Anual da ANPOCS http://www.anpocs.com/
3 a 8 de dezembro - XXXI Congresso da ALAS http://www.alas2017.com/

















21 novembro 2016

Conjuntura, direitos dos trabalhadores e Sistema Único de Assistência Social

Neste sábado, dia 26/11 estarei em atividade com a Frente Estadual em Defesa do Sistema Único de Assistência Social e da Seguridade Social falando sobre conjuntura e direitos dos trabalhadores.










.

15 outubro 2016

Roda de Conversa “Como Defender o Sistema Único de Saúde na Atual Conjuntura?”

Roda de Conversa “Como Defender o Sistema Único de Saúde na Atual Conjuntura?”

O curso de Serviço Social da UFBA convida para a roda de conversa “Como Defender o Sistema Único de Saúde na Atual Conjuntura?”, que ocorrerá no dia 26 de outubro de 2016, às 15 horas, no auditório do pavilhão de aulas Raul Seixas, no campus de São Lázaro da UFBA. Na ocasião, também ocorrerá uma sessão de autógrafos do livro "Saúde para Todos, Já!", de autoria de Lana e Taís Bleicher.

A roda de conversa será facilitada pela doutora em Saúde Coletiva Taís Bleicher, militante do Fórum Cearense da Luta Antimanicomial, conselheira do Conselho Regional de Psicologia / 11ª região e membro da Comissão Intersetorial de Saúde Mental/Ceará.

Em 28 anos de existência, a Proposta de Emenda Constitucional 241/16 é a maior ameaça ao Sistema Único de Saúde já ocorrida. No âmbito legislativo federal, a proposta limita os gastos em Saúde, agravando a realidade brasileira de subfinanciamento de sua política pública. A roda de conversa busca criar caminhos de enfrentamento a esta situação, quando a eleição de um governante democraticamente já não é garantia de execução de seu mandato, o sistema político praticamente impede o crescimento dos pequenos partidos e os movimentos sociais se encontram desorganizados.

Serviço:
O quê: Roda de Conversa “Como Defender o Sistema Único de Saúde na Atual Conjuntura?”
Quando: 26 de outubro de 2016
Horário: 15h
Onde: Auditório do pavilhão de aulas Raul Seixas, no campus de São Lázaro da UFBA

Informações adicionais sobre o livro
ISBN: 978-85-232-1513-2
Ano: 2016
Formato: 19 x 22 cm
Número de páginas: 133

Preço especial de lançamento: R$ 20

14 outubro 2016

Palestra Desafios e Retrocessos do Sistema Único de Saúde

Palestra Desafios e Retrocessos do Sistema Único de Saúde

O Departamento de Odontologia Social e Pediátrica convida para a palestra Desafios e Retrocessos do Sistema Único de Saúde, que ocorrerá no dia 24 de outubro de 2016, às 9 horas, no auditório do 6o andar da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia. A atividade será precedida, no período de 8 a 9 horas, no hall do 6o andar, da sessão de autógrafos do livro "Saúde para Todos, Já!", de autoria de Lana e Taís Bleicher, do livro “O dentista e seu trabalho”, de Lana Bleicher e do livro “Política de saúde bucal no Brasil: teoria e prática”, organizado por Sônia Cristina Lima Chaves

A palestra será proferida pela doutora em Saúde Coletiva Taís Bleicher, psicóloga da Universidade Federal do Ceará, professora do Centro Universitário Católica de Quixadá e professora visitante da Escola de Saúde Pública do Ceará.